POLÍTICAS DE MITIGAÇÃO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SEUS EFEITOS SOBRE O BRASIL

O presente trabalho estima os impactos de políticas de mitigação de mudanças climáticas possíveis de serem adotadas pelos EUA, União Europeia (UE) e Brasil em um horizonte futuro de 20 anos. Para tal, utiliza um modelo de equilíbrio geral da economia mundial, construído para projetar emissões de gases de efeito estufa (GEE) e simular políticas de redução nessas emissões. Os resultados sugerem a necessidade de uma maior participação e cooperação global para estabilizar emissões e reduzir os riscos das mudanças climáticas. Nos EUA e na UE, as políticas climáticas geram perdas de bem-estar de 0,7% e 0,4%, respectivamente, em 2030, para cortes em emissões de 25% em relação às emissões de GEE observadas em 2005. O Brasil sofreria perdas de até de 0,3% em bem-estar em 2030, caso não aplique políticas climáticas, mas enfrente tarifas compensatórias de carbono impostas por aqueles países. Essas barreiras comerciais se mostram pouco eficientes em evitar vazamentos em emissões e a perda de competitividade. Quando o Brasil impõe cortes em emissões, os custos de bem-estar podem atingir até 2,4% em 2030, o que sugere menores possibilidades de adoção de tecnologias de baixas emissões e de substituição de fontes de energia fósseis por renováveis. A redução nas emissões do desmatamento apresenta baixos custos de mitigação, enquanto cortes setoriais em emissões se mostram bem menos custoefetivos que outras estratégias, como um mercado de carbono nacional. Os setores de produção e uso de energia fóssil e a agropecuária seriam os maiores prejudicados pela política climática doméstica. O grande potencial de mitigação pela produção e uso de biocombustíveis no Brasil é confirmado pelo presente estudo, apesar de esse potencial não impedir a queda no nível de atividade do setor de transportes......The study estimates the impacts of climate change policies that may be adopted by US, European Union (EU) and Brazil in a time frame of 20 years. We use a general equilibrium model of the world economy, built to project greenhouse gas (GHG) emissions and simulate policies to reduce such emissions. The results suggest the necessity to a broader global participation and cooperation to stabilize emissions and reduce the risks of climate change. The climate policies generate welfare costs of 0,7% in the US and 0,4% in the EU in 2030 from emission cuts of 25% relative to 2005 GHG emissions. Brazil welfare losses amount 0,3% in 2030 if it does not applies climate policies but faces carbon tax board adjustments from those developed nations. Such trade barriers are not efficient in avoiding emission leakages and the loss of competitiveness. If Brazil imposes emission cuts, the welfare costs may reach 2,4% in 2030, what suggests fewer possibilities to adopt low carbon technologies and to substitute fossil fuel energy by renewable ones. The reduction in emissions from deforestation has low mitigation costs, while the sectorial cuts in emissions are much less cost-effective than other strategies, as a national carbon market. The economic sectors related to the production and high consumption of fossil fuels as also the agricultural sectors faces higher losses by the domestic climate policy. The large mitigation potential from biofuels in Brazil is confirmed by the study, although such potential does not avoid the decrease in the activity level of the transportation sector


Issue Date:
2012
Publication Type:
Journal Article
PURL Identifier:
http://purl.umn.edu/156400
Published in:
Revista de Economia e Agronegócio / Brazilian Review of Economics and Agribusiness, Volume 10, Number 2
Page range:
131-176
Total Pages:
46




 Record created 2017-04-01, last modified 2017-04-28

Fulltext:
Download fulltext
PDF

Rate this document:

Rate this document:
1
2
3
 
(Not yet reviewed)